Junte-se a nós!Se você gosta de nerdices, geek, otaku, cult e etc!

Quadrinhos em Cordel | Finalmente, Rebirth!

O Quadrinhos em Cordel é uma coluna semanal do NERDestinos exclusiva para quadrinhos. Textos novos todos os sábados.

DC-Rebirth-Shot-05

Finalmente, queridos DCnautas. A DC Comics deu na última quarta-feira (25) seu primeiro passo para uma total reformulação editorial, a primeira desde o reboot dos Novos 52 em 2011. DC Universe: Rebirth #1 chegou às lojas com um objetivo simples e claro: colocar a editora de volta na linha.

Depois dos Novos 52, uma fase bem conturbada para a DC tanto no sentido financeiro quanto no sentido criativo, a editora tentou revitalizar seu material no ano passado com a iniciativa DC You, introduzindo novas revistas como We Are Robin, Midnighter e Canário Negro, e mudando drasticamente a pegada de alguns personagens clássicos como o Superman, que passou a atuar apenas de camiseta e calça jeans, e o Batman, que passou a ser o Jim Gordon com uma armadura.

Embora, a crítica tenha aprovado a maioria dos novos títulos, os fãs não se satisfizeram e as vendas continuaram a cair vertiginosamente em comparação com a concorrente Marvel. O fã sabia que a mudança certa não era na direção do DC You e, um pouco menos de um ano depois, a DC percebeu isso. Assim nasceu o Rebirth.

Captura de Tela 2016-05-27 às 01.02.25
De quem é a mão que todos querem tocar?

Escrito por Geoff Johns, o one-shot de 80 páginas DC Universe: Rebirth #1 é o pontapé inicial dessa nova fase, é o recado de Geoff dizendo “Ok, nós erramos. Chegou a hora de corrigir com classe” e Wally West, o antigo Kid Flash, é a ferramenta usada pelo escritor para fazer o leitor da DC respirar feliz novamente.

O one-shot demonstra, acima de tudo, como essa maravilhosa indústria de quadrinhos que vivenciamos hoje reflete diretamente no universo da editora. O renascimento, além de dar um novo gás para a DC, também se trata se trazer elementos do passado. É justamente de lá que vem o Wally West, mais especificamente do pós-Flashpoint.

Em uma tentativa de misericórdia para salvar o universo DC de um mal maior, Wally vai pingando no “espaço-tempo” e reencontrando diversos heróis, assim Geoff aproveita para fazer um fan service básico e apresentar sutilmente diversos heróis que terão revista própria durante o Rebirth.  Como Wally viajou por esse tempo todo no “espaço-tempo”, ele precisa que pelo menos uma pessoa o reconheça para que ele seja novamente integrado ao universo em si.

O primeiro deles é Batman, que é visitado por Wally em sua caverna enquanto investiga o desaparecimento do Superman e o mistério dos três Coringas (e, assim como a revista, eu peço que os senhores leiam Superman #52 e Justice League #50 para entender esses quesitos). O velocista deixa seu recado para Bruce, fazendo uma conexão direta com o Flashpoint, mas não é reconhecido.

Captura de Tela 2016-05-26 às 22.58.02
Bem mais emocionante que aquela cena semelhante em Batman v Superman.

A jornada de Wally continua. Linda Park, a jornalista a qual Wally era casado em seu universo, também não o reconheceu. Cyborg também não, nem Dick Grayson. A última opção de Wally foi ninguém mais, ninguém menos que Barry Allen, o Flash, que reconhece seu amigo e o ajuda a voltar em definitivo para esse universo.

Graças a isso, Barry começa a se lembrar de todos os acontecimentos prévios ao Flashpoint e Geoff Johns mostra isso de forma impecável fazendo com que tanto o fã das antigas se sinta representado e vendo aquele universo da DC de volta, quanto o novo fã entenda melhor a ligação entre Wally e Barry e tudo o que eles, juntamente com aquele universo, já haviam passado.

Porém nem só de passado vive esse Rebirth. O recado de Wally para Batman faz com que o Homem-Morcego descubra algo que mexeu com todos os fãs da DC: os Watchmen. Até então intocados pelo gênio Alan Moore, os Watchmen passam a integrar agora o universo de super-heróis da DC provando que o Flashpoint teve uma mãozinha, a mesma mão que aparece na capa do one-shot, a mão do Dr. Manhattan.

Captura de Tela 2016-05-27 às 02.28.04
O relógio regressa. Watchmen é aqui.

A decisão ousada da equipe criativa da DC logicamente dividiu os fãs, e quando eu falo de decisão ousada me refiro ao Rebirth como um todo, mas precisamos lembrar que esse é o primeiro capítulo de um arco que vai se estender por mais de dois anos. Alguns fãs foram com muita sede ao pote querendo mudanças bruscas agora e não foram correspondidos, mas ao contrário de que alguns pensam, não há nada de ruim nisso.

Johns, Frank, Van Scriver, Ivan Reis, Jimenez, Joe Prado, Santorelli, Anderson, Wright, Hi-fi, Eltaeb e toda a DC Comics, obrigado por esse renascimento, obrigado por trazer de volta a esperança. Particularmente, eu já acompanhava a DC há muito tempo e nunca fui um crítico ferrenho dos Novos 52, mas é incrível ver esse jogo de cadeiras dando certo finalmente. Já era passada a hora de uma redenção.

Captura de Tela 2016-05-27 às 02.12.05
A DC volta a abraçar o seu fã.

O Rebirth continua já na próxima quarta-feira (1) com o lançamento de Batman: Rebirth #1, Green Arrow: Rebirth #1, Green Lanterns: Rebirth #1, Superman: Rebirth #1 e muito mais.